quarta-feira, setembro 07, 2005


Título Enganoso
Não se iludam, órfãos do basquete masculino brasileiro: ganhamos a Copa América contra ninguém. Ou dá para botar fé num campeonato em que a Argentina mandou o time b e os americanos mandaram um catado de jogadores de uma liga profissional inexpressiva deles, à anos luz da NBA? Incrível a festa que a Globo fez com esse título. Até quando vão seguir nesse discurso ufanista que não ajuda em nada nosso basquete? E o fracasso de quase uma década de uma seleção que não conseguiu se classificar para as duas últimas olimpíadas e fez fiasco nos dois últimos Mundiais, onde foram parar?
Destacarem-se mesmo na competição apenas o armador Marcelinho, que mostrou mesmo ser um grande arremessador e um craque habilidoso em algumas infiltrações, e o pivô Tiago Spliter, que evoluiu demais em todos os fundamentos no País Basco, Espanha, onde joga. Leandrinho? Fez grande partida na final contra os argentinos e tem potencial para evoluir, mas pecou muito no grande jogo que tivemos na Copa América, contra Porto Rico.
Nossos outros pivôs deixam muito a desejar. Por isso, Tiago, que mostra maturidade, fugiu do discurso dominante de seus companheiros: a bobagem de dizer que Nenê vai ter que “lutar por uma vaga, porque o grupo está fechado”. Ora, Nenê não é nenhum fenômeno, mas é óbvio que o Brasil precisará dele no Mundial para não passar outra vergonha. Ou alguém acredita que o Marcelinho e o Leandrinho vão ter facilidade para ficar chutando de três como fizeram na Copa América? “No Mundial vamos precisar dos melhores”, disse Tiago.
Finalmente, até quando teremos que conviver com um sistema tático ultrapassado (pelo amor de Deus, até quando dependeremos dos chutes de três pontos??? O Oscar parou faz tempo!!!) e jogadores que se afobam e perdem bolas ridículas como naquela inacreditável virada que tomamos de Porto Rico? Nos jogos de verdade é que podemos ver se temos mesmo uma seleção. E o jogo de verdade foi contra Porto Rico, uma seleção mais que irregular (nem se classificou para o Mundial) mas que contou com feras que bateram os EUA de verdade em Atenas, como o genial Ayuso, que pede a bola, chuta e não pipoca.
Hora de trabalhar muito mais e esquecer conquistas enganosas como esses Pan-Americanos e Copas Américas recheadas de falsas seleções. E hora de seguir rezando para surgir um grande treinador nesse país de novo. Ou nosso manda-chuva da CBB abrir os olhos e perceber que têm caras melhores que o seu queridinho.

Um comentário:

  1. fernando soria denardi07 setembro, 2005 11:22

    Puta joga basquete no Brasil eh foda....
    onde estao os idulos os craques para podemos sonhar com uma seleçao competitia naum basta contar com meia duzia de jogadores q jogam na eoropa eua, temos q ter um campeonato nacional decente investir nas categorias de base, pensar no futuro q quem sabe consiguiremos ulguma coisa.
    Copa América...?
    copa vergonha enquanto a maioria dos times levam seus futuros talentos o Brasil leva o time principal para sofrer para ganhar dos mulekes das outras seleçoes!!!

    Falta coraçao coragem e humildade para o time Brasileiro... Nenê???cusao o OSCAR o maior jogador brasileiro de todos os tempos preferia joga pela seleçao do q pela nba...Era um brasileiro digno com humildade naum uma estrelinha....

    precisamos do uniao para termos um time precisamos de coraçao para representar o Brasil...

    ResponderExcluir